terça-feira, 20 de outubro de 2009

Gustav Klint e a moda

Gustav Klimt nasceu em 14 Julho de 1862, em Baumgarten, nas proximidades de Viena. Foi o segundo de sete filhos de Ernest , cinzelador de metais preciosos, e de Anne Finster. Em 1876, Klimt ingressou na Escola de Artes e Ofícios de Viena. Decorou museus, faculdades e pintou muitos quadros, em sua maioria retratava muitas mulheres, e paisagens.


No fim do século XIX, Gustav Klimt conhece Emilie Floge, uma jovem filha de uma familia burguesa, que a pedido do pai torna-se sua protégé de klimt, iniciando-se na arte do desenho e do meio criativo e libertino dos estúdios do artistas. A relação de Klimt com Emilie vai ficando cada vez mais quente, e com o tempo a paixão vai se assumindo, Emilie torna-se sua amante e musa inspiradora.

Emilie e sua irmã eram donas da boutique Floge, e Klimt atuava como estilista e fotográfo, criando roupas e fazendo fotos de moda, Klimt talvez tenha sido o primeiro a fotográfo de moda, ou pelo menos o primeiro a fotografar ao ar livre. Emilie além de proprietária era manequim, e possivelmente pode ter sido também a primeira manequim de moda do mundo. As peças desenvolvidas por Klimt eram vendidas na Boutique das Irmãs Flöge, o ateliê de alta-costura preferido entre a elite intelectual na Áustria da Belle Époque.


O interesse do artista pela moda não é em vão. Os retratos femininos são marca registrada de sua obra e para retratar as mulheres com fidelidade era essencial saber o que estavam usando. As moças de Klimt aparecem usando roupas soltinhas, coloridas – retratando a moda recém-revolucionada pelo estilita francês Paul Poiret. A mais belas roupas que concebeu - sempre para o sexo feminino - relacionavam-se para ele ao erotismo, pois toda a sensualidade do mundo encontrava-se "na silhueta feminina". Klimt compreendia profundamente a mulher, adivinhava toda a linha de seu corpo, de seu traje, seu sorriso e seus movimentos. A fotografia não desmente a fantasia e os elementos inesperados de suas telas. Em sua obra "O Beijo", o vestido da mulher vai além do irreal, tornando-se portador de um sonho: o encontro através de formas ovais em vários tons de dourado e ornamentos estrelados do jardim do Éden, onde Adão e Eva conheceram o pecado capital.

Klimt foi um dos artistas a liderar a Secessão de Viena, em 1897 que pode-se se dizer que teve o mesmo significado que a Semana de arte Moderna no Brasil. O artista se relaciona ao movimento art-nouveau, cuja influencia para a moda é definitiva.

Klimt morreu em 6 de fevereiro de 1918 de apoplexia, uns meses antes do colapso do Império Austro-Húngaro.